English version
N.º 9
2009
pp. 67-76

 

< Anterior Seguinte >

Artigo
O restauro do património móvel em Évora no contexto de Quinhentos: os Panos de Armar de D. Mariana de Castro, condessa de Tentúgal

Antónia Fialho Conde

Departamento de História da Universidade de Évora

CIDEHUS (Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora)

mconde@uevora.pt

Resumo

A acção que hoje reconhecemos como restauro, e a atitude e princípios que a justificam e mobilizam, está documentada desde há muito tempo. A oficialização desta atitude de salvaguarda, especialmente consagrada na legislação, nacional e internacional, não foi a única responsável para que hoje nos encontremos mais despertos para esta problemática. As pessoas e as instituições, ao longo da História, conseguiram demonstrar, como documentalmente se prova, quão sensíveis podem ser à preservação do património. No caso português, e muito particularmente no caso de Évora, temos o exemplo de D. Mariana de Castro, que, em 1597, se preocupou com o conserto de uns panos de armar, revelando a sua exigência em relação ao trabalho do oficial a preocupação pela garantia de qualidade por parte de uma elite local acostumada ao estatuto de Évora enquanto assento de Corte, segunda cidade do reino em Quinhentos, cidade de intelectuais, de escritores, humanistas e poetas, de pintores, escultores e músicos, mas também de tecelões e tapeceiros, que se multiplicavam para dar resposta às solicitações de um público que se acostumara a ser exigente.

Palavras-chave

Restore/restoration
Tapestry
Heritage

Idioma

Português

DOI

10.14568/cp9_8

Download

PDF

Importar referência

RIS | Endnote

Citação

Conservar Património | APA | Chicago | NP405 | ABNT

Conservar Património:
Conde, A. F., 'O restauro do património móvel em Évora no contexto de Quinhentos: os Panos de Armar de D. Mariana de Castro, condessa de Tentúgal', Conservar Património 9 (2009) 67-76, https://doi.org/10.14568/cp9_8.

APA:
Conde, A. F. (2009). O restauro do património móvel em Évora no contexto de Quinhentos: os Panos de Armar de D. Mariana de Castro, condessa de Tentúgal. Conservar Património, 9 67-76. DOI:10.14568/cp9_8.

Chicago:
Conde, Antónia Fialho. 2009. "O restauro do património móvel em Évora no contexto de Quinhentos: os Panos de Armar de D. Mariana de Castro, condessa de Tentúgal." Conservar Património 9:67-76. doi:10.14568/cp9_8.

NP405:
CONDE, Antónia Fialho – O restauro do património móvel em Évora no contexto de Quinhentos: os Panos de Armar de D. Mariana de Castro, condessa de Tentúgal. Conservar Património. [Em linha]. 9 (2009) 67-76 [Consult. ]. Disponível em WWW: <URL:https://doi.org/10.14568/cp9_8>. ISSN 21829942.

ABNT:
CONDE, Antónia Fialho. O restauro do património móvel em Évora no contexto de Quinhentos: os Panos de Armar de D. Mariana de Castro, condessa de Tentúgal. Conservar Património, Lisboa, v. 9, p. 67-76, 2009. Disponível em: <https://doi.org/10.14568/cp9_8>. Acesso em: .

História

Recebido: 2009-10-29
Revisto: 2009-10-27
Aceite: 2008-08-18Online: 2017-10-3
Publicação: 2010-1-9

Referências

1 Brandi, C., Teoria do Restauro, Orion, Amadora (2006).

2 Bluteau, R., Vocabulário Portuguez e Latino, Real Collegio das Artes da Companhia de Jesus, Coimbra, 10 vols. (1712-1728).

3 Huylebrouck, R., 'Portugal e as tapeçarias flamengas', Revista da Faculdade de Letras - História 3 (1986) 165-198.

4 Keil, L., 'Tapisseries de Flandre au Portugal pendant les XV et XVIème siècles' in Miscellanea Léoran Puyvelde, Ed. La Connaissance, Bruxelles (1949).

5 Oliveira, C.R., Sumario e[m] Que Breuemente se Contem Alguas Cousas Assi Ecclesiasticas Como Seculares Que Há na Cidade de Lisboa, Germão Gallarde, Lisboa (1551).

6 Vasconcelos, J., 'Os panos de raz em Portugal', Revista de Guimarães 17(3) (1900) 117-129.

7 Teixeira, J., O Paço Ducal de Vila Viçosa - Sua Arquitectura e as Suas Colecções, Lisboa (1983).

8 Viterbo, S., Artes e Artistas em Portugal. Contribuições Para a História das Artes e Indústrias Portuguesas, Livraria Ferreira, Lisboa (1892).

9 Pereira, G., Documentos Históricos da Cidade de Évora. 1.ª Parte, Typographia da Casa Pia, Évora (1885).

10 Monte, G., A Fabricação de Panos de Cor e de Linho em Évora e Seu Termo (Séculos XIV a XIX), Imprensa Gráfica Eborense, Évora (1984).

11 Espanca, T., Visita de Embaixadores Célebres, Reis, Príncipes e Arcebispos a Évora nos Séculos XV a XVIII, Évora (1952).

12 Câmara Municipal de Évora (ed.), Foral Manuelino de Évora, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, Lisboa (2001).

13 Chauvard, J.-F., 'Circuit des biens dotaux et stratégies familiales dans la Venise du XVIIème siècle', in La Famille, les Femmes et le Quotidien (XIVe-XVIII Siècle), ed. I. Chabot, J. Hayez, D. Lett, Publications de La Sorbonne, Paris (2006).

14 Gropi, A.; Fine, A., 'Femmes, dot et patrimoine', Clio - Femmes, Dots et Patrimoines 7 (1998) 7-18.

15 Arquivo Distrital de Évora, Notarial 298 (Évora), fls. 16v.-17v.

16 Regimento da Fábrica dos Panos de Portugal, Ordenado no Anno de 1690, Officina de Miguel Deslandes. Lisboa (1690).

17 Principes d'Analyse Scientifique. Tapisserie. Méthode et Vocabulaire, Ministère des Affaires Culturelles, Paris (1971).

18 Costa, M. P., 'Glossário de termos têxteis e afins', Revista da Faculdade de Letras - Ciências e Técnicas do Património 3 (2004) 137-161.

19 Correia, V. (ed.), Livro dos Regimentos dos Officiaes Mecânicos da Mui Nobre e Se[m]pre Leal Cidade de Lisboa, Imprensa da Universidade, Coimbra (1926).

20 Arquivo Distrital de Évora, Notarial 283 (Évora), fls. 52-53v.

Endereço persistente: https://doi.org/10.14568/cp9_8


< Anterior Seguinte >
ARP | Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal