English version
N.º 9
2009
pp. 47-55

 

< Anterior Seguinte >

Artigo
As cores de um painel do século XVI, da igreja matriz de Pavia (Mora, Évora), atribuído ao pintor Francisco João

Helena Pinheiro de Melo1, António João Cruz1,2,*

1 Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes (CITAR), Universidade Católica Portuguesa, R. Diogo Botelho, 1327, 4169-005 Porto, Portugal

2 Departamento de Arte, Conservação e Restauro, Escola Superior de Tecnologia de Tomar, Instituto Politécnico de Tomar, Estrada da Serra, 2300-313 Tomar, Portugal

* ajcruz@netvisao.pt

Resumo

No âmbito de um estudo sobre os materiais e as técnicas do pintor eborense Francisco João (activo entre 1563 e 1595), foi analisado o painel central do retábulo-mor da igreja matriz de Pavia (Mora, Portugal), representando A Conversão de São Paulo a Caminho de Damasco, atribuído ao pintor. Tendo como objectivos a identificação dos materiais responsáveis pela cor e a caracterização do processo de execução pictórica e do manuseamento das tintas, a pintura foi examinada in situ, à vista desarmada e com o auxílio de uma lupa e recolheram-se nove amostras. Estas foram analisadas através de microscopia óptica, microscopia electrónica de varrimento com espectroscopia de raios X (SEM-EDX), espectroscopia de infravermelho com transformada de Fourier (FTIR) e cromatografia de camada fina de alta eficiência (HPTLC). Verificouse que, sobre uma preparação de gesso e cola animal, a pintura foi executada com branco de chumbo, amarelo de chumbo e estanho, ocre amarelo, mínio, ocre vermelho, vermelhão, azurite, verdigris ou resinato de cobre, negro de carvão e uma laca vermelha, não identificada. Na maior parte das amostras, foi observada a existência de dois ou três estratos de cor sobre a preparação, devendo-se essa sobreposição, de um modo geral, ao processo de modelação do pintor e não à sobreposição de motivos. Em cada estrato, a cor foi geralmente obtida pela mistura de um pigmento colorido com branco e, em dois casos, foi usado um pigmento puro. Apenas nos estratos de cor vermelha foram detectadas outras misturas, com maior número de materiais.

Palavras-chave

Pintura
Século XVI
Cor
Pigmentos
Misturas de pigmentos
Modelação das formas

Idioma

Português

DOI

10.14568/cp9_6

Download

PDF | Material adicional

Importar referência

RIS | Endnote

Citação

Conservar Património | APA | Chicago | NP405 | ABNT

Conservar Património:
Melo, H. P.; Cruz, A. J., 'As cores de um painel do século XVI, da igreja matriz de Pavia (Mora, Évora), atribuído ao pintor Francisco João', Conservar Património 9 (2009) 47-55, https://doi.org/10.14568/cp9_6.

APA:
Melo, H. P., & Cruz, A. J. (2009). As cores de um painel do século XVI, da igreja matriz de Pavia (Mora, Évora), atribuído ao pintor Francisco João. Conservar Património, 9 47-55. DOI:10.14568/cp9_6.

Chicago:
Melo, Helena Pinheiro de, and António João Cruz. 2009. "As cores de um painel do século XVI, da igreja matriz de Pavia (Mora, Évora), atribuído ao pintor Francisco João." Conservar Património 9:47-55. doi:10.14568/cp9_6.

NP405:
MELO, Helena Pinheiro de; CRUZ, António João – As cores de um painel do século XVI, da igreja matriz de Pavia (Mora, Évora), atribuído ao pintor Francisco João. Conservar Património. [Em linha]. 9 (2009) 47-55 [Consult. ]. Disponível em WWW: <URL:https://doi.org/10.14568/cp9_6>. ISSN 21829942.

ABNT:
MELO, Helena Pinheiro de; CRUZ, António João. As cores de um painel do século XVI, da igreja matriz de Pavia (Mora, Évora), atribuído ao pintor Francisco João. Conservar Património, Lisboa, v. 9, p. 47-55, 2009. Disponível em: <https://doi.org/10.14568/cp9_6>. Acesso em: .

História

Recebido: 2009-07-17
Revisto: 2009-07-14
Aceite: 2008-11-21Online: 2017-10-3
Publicação: 2010-1-9

Referências

1 Serrão, V., A Pintura Maneirista em Portugal, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, Lisboa (1982).

2 Espanca, T., Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Évora - Zona Norte, Concelhos de Arraiolos, Estremoz, Montemor-o-Novo, Mora e Vendas Novas, vol. 8, Academia Nacional de Belas Artes, Lisboa (1975).

3 Friedlander, W., Mannerism and Anti-Mannerism in Italian Painting, Schoken Books, New York (1966), figs. 28-29.

4 Maclehose, L. S., Vasari - On Technique, Dover Publications, New York (1960).

5 Sanchez-Ledesma, A.; García, M. J. G., 'Estudio de los materiales presentes en nueve micromuestras tomadas de la pintura La Conversíon de San Pablo, de la Iglesia de Pavia', Relatório policopiado, Arte-Lab, Madrid (1998).

6 Woudhuysen-Keller, R.; Woudhuysen-Keller, P., 'The history of egg-white varnishes', Hamilton Kerr Bulletin 2 (1994) 90-140.

7 Villarquide Jevenois, A., La Pintura sobre Tela I. Historiografía, técnicas y materiales, Nerea, San Sebastián (2004); pp.285-286.

8 Dossie, R., The Handmaid to the Arts, London (1758); p.210.

9 Thompson, D. V., Jr., Cennino d'Andrea Cennini. The Craftsman's Handbook. The italian Il Libro dell'Arte, Dover Publications, Inc., New York (1960); p. 122.

10 Espanca, T., 'Miscelânea Histórico-Artística (4ª série). A ermida de São Sebastião: sua evolução e História', A Cidade de Évora 10 (31-32) (1953) 123-205; p. 191.

11 Perego, F., Dictionnaire des Matériaux du Peintre, Éditions Belin, Paris (2005).

12 Dunkerton, J.; Foister, S.; Penny, N., Dürer to Veronese. Sixteen-Century Painting in the National Gallery, National Gallery Company, London (1999); pp. 218-219.

13 Heydenreich, G., Lucas Cranach the Elder. Painting materials, techniques and workshop practice, Amsterdam University Press, Amsterdam (2007).

14 Dunkerton, J.; Spring, M., 'The development of painting on coloured surfaces in sixteenth-century Italy', in Painting Techniques. History, materials and studio practice. Contributions to the Dublin Congress. 7-11 September 1998, ed. A. Roy and P. Smith, The International Institute for Conservation of Historic and Artistic Works, London (1998) 120-130.

15 Van Hout, N., 'Meaning and development of the ground layer in seventeenth century painting', in Looking Through Paintings. The study of painting techniques and materials in support of art historical research, ed. E. Hermens, de Prom Publications-Archetype Publications, Baarn-London (1998) 199-225.

16 Dunkerton, J., 'The materials of a group of late 15th-century Florentine panel paintings', National Gallery Technical Bulletin 17 (1996) 20-31.

17 Campbell, L; Foister, S; Roy, A. ed., 'The Methods and Materials of Northern European painting 1400-1550', National Gallery Technical Bulletin 18 (1997) 6-55.

18 Cruz, A. J., 'Para que serve à história da arte a identificação dos pigmentos utilizados numa pintura?', Artis - Revista do Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras de Lisboa 5 (2006) 445-462.

19 As pinturas da Charola de Tomar, IPCR, Lisboa (2004).

20 Mello, T. H. de; Matos, E.; Ribeiro, I., 'Nª. Senhora da Assunção - Igreja de Sardoura. Estudo técnico-científico da pintura e sua conservação', in Garcia Fernandes. Um Pintor do Renascimento Eleitor da Misericórdia de Lisboa, ed. J. O. Caetano, Santa Casa da Misericórdia, Lisboa (1998) 105-115.

21 Estudo da Pintura Portuguesa. Oficina de Gregório Lopes. Actas do Seminário Internacional, Ministério da Cultura, Instituto Português de Museus, Lisboa (1999).

22 Bomford, D., 'The history of colour in art', in Colour: Art & Science, ed. T. Lamb and J. Bourriau, Cambridge University Press, Cambridge (1995) 7-30.

23 O retábulo de Ferreira do Alentejo, IPCR, Lisboa (2004).

24 Almada, C. O.; Figueira, L. T.; Serrão, V., História e restauro do retábulo-mor do Mosteiro dos Jerónimos, Ministério da Cultura / Instituto Português do Património Arquitectónico, Lisboa (2000).

Endereço persistente: https://doi.org/10.14568/cp9_6


< Anterior Seguinte >
ARP | Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal