English version
N.º 8
2008
pp. 5-12

 

< Anterior Seguinte >

Artigo
Argamassas de terra em estruturas domésticas do Neolítico. Alguns casos de estudo no Alentejo, Portugal

Patrícia Bruno1,*, Paulina Faria2

1 Architect, MSc in Architectural Heritage Conservation, PhD student in Pre-history, University of Lisbon, 1600-214 Lisboa, Portugal

2 Civil Engineering, PhD in Architectural Heritage Rehabilitation, Coordinate Professor, Polytechnic Institute of Setúbal, 2910-470 Setúbal, Portugal

Resumo

O uso construtivo de argamassas à base de argila verificou-se no Sudoeste Peninsular desde o Neolítico Antigo. De acordo com os dados da arqueologia, estes materiais foram aplicados no Período Neolítico para revestimento de fossas; posteriormente, já na Idade do Cobre e do Bronze, as argamassas à base de argila foram utilizadas no assentamento de alvenarias de pedra, no revestimento de paredes compostas por engradados de materiais vegetais, na execução de adobes e, possivelmente, na construção de paredes maciças de terra. Esta comunicação tem por objectivo apresentar alguns dados mais específicos sobre os vestígios construtivos de terra detectados nos sítios de habitat neolíticos de Defesa de Cima 2, Lajinha 8, Horta do Albardão 3, Valada do Mato (distrito de Évora) e Toca da Raposa (distrito de Portalegre), essencialmente compostos por fragmentos de argamassas à base de argila, cozidos por fogo, provenientes do revestimento de fossas utilizadas como estruturas de combustão (lareiras e fornos) e de armazenagem (silos). A descrição das amostras incluiu a medição e o registo gráfico e fotográfico dos vestígios seleccionados. Foram também realizadas análises granulométricas e microestruturais. Julga-se que este tipo de estudos poderá contribuir para aprofundar o conhecimento das estruturas domésticas pré-históricas e das suas técnicas construtivas, possibilitando a reprodução tecnológica desses sítios de habitat.

Palavras-chave

Vestígios arqueológicos
Caracterização
Argamassa de terra
Habitat Neolítico

Idioma

Inglês

Título original

Earth mortars use on neolithic domestic structures. Some case studies in Alentejo, Portugal

DOI

10.14568/cp8_2

Download

PDF | Material adicional

Importar referência

RIS | Endnote

Citação

Conservar Património | APA | Chicago | NP405 | ABNT

Conservar Património:
Bruno, P.; Faria, P., 'Earth mortars use on neolithic domestic structures. Some case studies in Alentejo, Portugal', Conservar Património 8 (2008) 5-12, https://doi.org/10.14568/cp8_2.

APA:
Bruno, P., & Faria, P. (2008). Earth mortars use on neolithic domestic structures. Some case studies in Alentejo, Portugal. Conservar Património, 8 5-12. DOI:10.14568/cp8_2.

Chicago:
Bruno, Patrícia, and Paulina Faria. 2008. "Earth mortars use on neolithic domestic structures. Some case studies in Alentejo, Portugal." Conservar Património 8:5-12. doi:10.14568/cp8_2.

NP405:
BRUNO, Patrícia; FARIA, Paulina – Earth mortars use on neolithic domestic structures. Some case studies in Alentejo, Portugal. Conservar Património. [Em linha]. 8 (2008) 5-12 [Consult. ]. Disponível em WWW: <URL:https://doi.org/10.14568/cp8_2>. ISSN 21829942.

ABNT:
BRUNO, Patrícia; FARIA, Paulina. Earth mortars use on neolithic domestic structures. Some case studies in Alentejo, Portugal. Conservar Património, Lisboa, v. 8, p. 5-12, 2008. Disponível em: <https://doi.org/10.14568/cp8_2>. Acesso em: .

História

Online: 2017-10-3
Publicação: 2009-8-10

Referências

1 Albergaria, J., ‘O sítio neolítico das Atafonas (Torre de Coelheiros, Évora)’, Revista Portuguesa de Arqueologia, 10(1) (2007) 5-35.

2 Santos, F.; Carvalho, P., ‘O sítio neolítico da Defesa de Cima 2 (Torre de Coelheiros, Évora). Primeiros resultados’, communication presented on the III Coloquio de Arqueologia do Sudoeste Peninsular – Aljustrel (2006).

3 Gaspar, R., ‘Intervenção arqueológica na Lajinha 8 (São Manços, Évora). Relatório Final’, report, Lisboa, Archeo’Estudos (2008).

4 Santos, F., ‘Minimização de impactes sobre o património cultural decorrentes da construção do canal da conduta C1_3 do Bloco 3 do Bloco de Rega do Monte Novo. Sítio do Neolítico Final/Calcolítico da Horta do Albardão 3 (S. Manços, Évora). Trabalhos arqueológicos. Relatório Final’, report, Arqueohoje, Lisboa (2006).

5 Gonçalves, V. S., ‘Intervenções na área da barragem do Alqueva (2000). Bloco 3. Habitats Sítio: Carraça 1’, report, IPA, Lisboa (2000).

6 Gonçalves, V. S., ‘Intervenções na área da barragem do Alqueva (2001). Bloco 3. Povoados. Sítio: Carraça 1’, report, IPA, Lisboa (2001).

7 Gonçalves, V. S., ‘Comer em Reguengos, no Neolítico. As estruturas de combustão da Área 3 de Xarez 12’, in Muita gente, poucas antas? Origens, espaços e contextos do Megalitismo. Actas do II Colóquio Internacional sobre Megalitismo, IPA, Lisboa (2003) 81-91.

8 Silva, C. T.; Soares, J., Pré-História da Área de Sines, Gabinete da Área de Sines, Lisboa (1981).

9 Mataloto, R.; Estrela, S.; Alves, C.,‘As fortificações calcolíticas de São Pedro (Redondo, Alentejo Central, Portugal)’, in Los primeros campesinos de La Raya. Aportaciones recientes al conocimiento del Neolítico y Calcolítico en Extremadura y Alentejo. Actas de las Jornadas de Arqueología del Museo de Cáceres, Museo de Cáceres, Cáceres (2007) 113-141.

10 Hock, M.; Kalb, P., ‘O povoado fortificado calcolítico do Monte da Ponte, Évora’, in Actas do 2º Congresso de Arqueologia Peninsular, Zamora, 1996, Fundación Rei Afonso Henriques, Zamora (1997) 417-423.

11 Gonçalves, V. S., ‘A ocupação pré-histórica do Monte Novo dos Albardeiros (Reguengos de Monsaraz)’, Portugália 9-10 (1989) 49-61.

12 Gonçalves, V. S., ‘TESP3: o povoado pré-histórico da Torre do Esporão (Reguengos de Monsaraz)’, Portugália 11-12 (1991) 53-72.

13 Silva, C. T.; Soares, J., ‘Porto das Carretas - um povoado calcolítico fortificado do vale do Guadiana’, Al-madam 2 (2002) 176-180.

14 Valera, A. C., ‘Moinho de Valadares e transição Neolítico final/Calcolítico na margem esquerda do Guadiana: uma análise preliminar’, Era Arqueologia 1 (2000) 24-37.

15 Valera, A. C., ‘A ocupação pré-histórica do sítio do Mercador (Mourão): a campanha de 2000’, Era Arqueologia 3 (2002) 42-57.

16 Valera, A. C.; Filipe, I., ‘O povoado do Porto Torrão (Ferreira do Alentejo)’, Era Arqueologia 6 (2004) 28-61.

17 Gonçalves, V. S., Megalitismo e metalurgia no alto Algarve oriental, uma aproximação integrada, INIC/UNIARQ, Lisboa (1989).

18 Morán, E., ‘Conjunto Megalítico de Alcalar (Portimão). Povoado de Alcalar. Parcela 15L. Campanha 3(2001). Relatório preliminar dos trabalhos de terreno efectuados no corte 04’, report, IPA, Lisboa (2001).

19 Silva, C. T.; Soares, J., ‘O povoado fortificado calcolítico do Monte da Tumba - Escavações arqueológicas de 1982-86 (resultados preliminares)’, Setúbal Arqueológica 8 (1987) 29-79.

20 Grilo, C., ‘O povoado pré-histórico do Alto do Outeiro, Baleizão, Beja’, communication presented on the III Coloquio de Arqueologia do Sudoeste Peninsular – Aljustrel (2006).

21 Morán, E., ‘Relatório dos trabalhos arqueológicos efectuados em Março-Abril de 1999 no povoado calcolítico de Alcalar. Parcela nº 16-L propriedade de Uta Tackenber’, report, IPA, Lisboa (1999).

22 Bruno, P., ‘O uso da terra na construção de uma cabana do Bronze final. Estudo dos materiais provenientes do sítio proto-histórico Rocha do Vigio 2 (Campinho, Reguengos de Monsaraz)’, Terra: forma de construir. Arquitectura-Antropologia-Arqueologia, Argumentum, Lisboa (2006) 67-73.

23 Calado, M.; Mataloto, R.; Rocha, A., ‘Povoamento proto-histórico na margem direita do Regolfo de Alqueva (Alentejo – Portugal)’, in Arqueologia de la tierra. Paisajes rurales de la Protohistoria Peninsular, Universidad de Extremadura, Cáceres (2007) 129-179.

24 Silva, A. C.; Berrocal-Rangel, L., ‘Castro dos Ratinhos. Relatório. 4ª Campanha – 2007’, report, Edia/Projecto Arqueológico dos Ratinhos, Beja (2007).

25 Diniz, M., O Sítio de Valada do Mato (Évora): aspectos da neolitização no Interior/Sul de Portugal, IPA, Lisboa (2007).

26 Oliveira, J., Património Arqueológico da Coudelaria de Alter, Colibri/Universidade de Évora, Lisboa (2006).

Endereço persistente: https://doi.org/10.14568/cp8_2


< Anterior Seguinte >
ARP | Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal