English version
N.º 6
2007
pp. 39-51

 

< Anterior Seguinte >

Artigo
Pigmentos e corantes das obras de arte em Portugal, no início do século XVII, segundo o tratado de pintura de Filipe Nunes

António João Cruz

Departamento de Arte, Conservação e Restauro, Escola Superior de Tecnologia de Tomar, Estrada da Serra, 2300-313 Tomar, Portugal

Centro de Investigação em Ciências e Tecnologias das Artes (CITAR), R. Diogo Botelho, 1327, 4169-005 Porto, Portugal

ajcruz@netvisao.pt

Resumo

O tratado sobre a Arte da Pintura de Filipe Nunes, publicado pela primeira vez em 1615, é uma obra de grande importância para o estudo dos materiais e das técnicas empregues na pintura em Portugal no século XVII, especialmente na sua primeira metade. Porém, os pigmentos e os corantes aí mencionados nem sempre são de fácil identificação devido às mudanças de nomenclatura que entretanto ocorreram, pelo que o estudo realizado pretendeu fazer o levantamento desses materiais e estabelecer a sua correspondência com as actuais designações. Nos casos em que essa identificação não é evidente, considerou-se a informação proporcionada pelo tratado, os estudos relevantes para o assunto já publicados e as fontes documentais tanto quanto possível da época. Desta forma chegou-se a um conjunto de 24 pigmentos e 10 corantes, ainda que subsistam dúvidas a respeito de alguns, que constitui um quadro de referência que será útil ter em conta quer na análise das obras de arte, quer nas intervenções de conservação e restauro, quer na interpretação de outros tratados. Adicionalmente, este estudo pôs em evidência a grande diversidade de corantes que podiam ser usados em obras de arte, o que, contrastando com as poucas identificações que têm sido efectuadas através de análise química de obras de arte, sugere uma linha de investigação que deverá ser objecto de redobrada atenção na qual os conservadores-restauradores terão um papel fundamental.

Palavras-chave

Pigmentos
Corantes
Lacas
Cores
Pintura
Escultura
Tratados

Idioma

Português

DOI

10.14568/cp6_5

Download

PDF

Importar referência

RIS | Endnote

Citação

Conservar Património | APA | Chicago | NP405 | ABNT

Conservar Património:
Cruz, A. J., 'Pigmentos e corantes das obras de arte em Portugal, no início do século XVII, segundo o tratado de pintura de Filipe Nunes', Conservar Património 6 (2007) 39-51, https://doi.org/10.14568/cp6_5.

APA:
Cruz, A. J. (2007). Pigmentos e corantes das obras de arte em Portugal, no início do século XVII, segundo o tratado de pintura de Filipe Nunes. Conservar Património, 6 39-51. DOI:10.14568/cp6_5.

Chicago:
Cruz, António João. 2007. "Pigmentos e corantes das obras de arte em Portugal, no início do século XVII, segundo o tratado de pintura de Filipe Nunes." Conservar Património 6:39-51. doi:10.14568/cp6_5.

NP405:
CRUZ, António João – Pigmentos e corantes das obras de arte em Portugal, no início do século XVII, segundo o tratado de pintura de Filipe Nunes. Conservar Património. [Em linha]. 6 (2007) 39-51 [Consult. ]. Disponível em WWW: <URL:https://doi.org/10.14568/cp6_5>. ISSN 21829942.

ABNT:
CRUZ, António João. Pigmentos e corantes das obras de arte em Portugal, no início do século XVII, segundo o tratado de pintura de Filipe Nunes. Conservar Património, Lisboa, v. 6, p. 39-51, 2007. Disponível em: <https://doi.org/10.14568/cp6_5>. Acesso em: .

História

Online: 2017-10-3
Publicação: 2009-2-1

Referências

1 Nunes, P., Arte Poetica, e da Pintura, e Symmetria, com princípios da Perspectiva, Pedro Crasbeeck, Lisboa (1615).

2 Ventura, L., 'Introdução', in Arte da Pintura, Symmetria e Perspectiva Composta por Philippe Nunes, ed. L. Ventura, Editorial Paisagem, Porto (1982) 7-64.

3 Monteiro, P. A.; Afonso, L. U., 'Fontes para o estudo dos pigmentos na tratadística portuguesa: da Idade Média a 1850', Artis - Revista do Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras de Lisboa 6 (2007) 161-186.

4 Nunes, F., Arte da Pintura, Symmetria e Perspectiva, 2.ª ed., João Baptista Alvares, Lisboa (1767).

5 Rodrigues, F. A., Diccionario Technico e Historico de Pintura, Es culptura, Architectura e Gravura, Imprensa Nacional, Lisboa (1875).

6 Ventura, L., Arte da Pintura, Symmetria e Perspectiva Composta por Philippe Nunes, Editorial Paisagem, Porto (1982).

7 Veliz, Z. (ed.), Artists' Techniques in Golden Age Spain. Six treatises in translation, Cambridge University Press, Cambridge (1986).

8 Gettens, R. J.; Stout, G. L., Painting Materials. A short encyclopaedia, Dover Publications, Inc., New York (1966).

9 Mayer, R., The Harper Collins Dictionary of Art Terms and Techniques, 2.ª ed., Harper Perennial, New York (1991).

10 Cruz, A. J., 'Os pigmentos naturais utilizados em pintura', in Pigmentos e Corantes Naturais. Entre as artes e as ciências, ed. A. S. Dias and A. E. Candeias, Universidade de Évora, Évora (2007) 5-23.

11 Cruz, A. J., Da sombra para a luz - Materiais e técnicas da pintura de Bento Coelho da Silveira, IPPAR, Lisboa (1999).

12 Seruya, A. I. (ed.), Policromia. A escultura policromada religiosa dos séculos XVII e XVIII. Estudo comparativo das técnicas, alterações e con servação em Portugal, Espanha e Bélgica, Instituto Português de Conservação e Restauro, Lisboa (2002).

13 Cruz, A. J., 'A cor e a substância: sobre alguns pigmentos mencionados em antigos tratados portugueses de pintura - pigmentos amarelos', Artis - Revista do Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras de Lisboa 6 (2007) 139-160.

14 Eastaugh, N.; Walsh, V.; Chaplin, T.; Siddall, R., Pigment Compendium. A dictionary of historical pigments, Elsevier Butterworth-Heinemann, Oxford (2004).

15 Guineau, B., Glossaire des Matériaux de la Couleur et des Termes Techniques Employés dans les Recettes de Couleurs Anciennes, Brepols Publishers, Turnhout (2005).

16 Perego, F., Dictionnaire des Matériaux du Peintre, Éditions Belin, Paris (2005).

17 Feller, R. L. (ed.), Artists' Pigments. A handbook of their history and characteristics. Volume 1, National Gallery of Art, Washington (1986).

18 Roy, A. (ed.), Artists' Pigments. A handbook of their history and characteristics. Volume 2, National Gallery of Art, Washington (1993).

19 FitzHugh, E. W. (ed.), Artists' Pigments. A handbook of their history and characteristics. Volume 3, National Gallery of Art, Washington (1997).

20 Berrie, B. H. (ed.), Artists' Pigments. A handbook of their history and characteristics. Volume 4, National Gallery of Art - Archetype Publications, Washington - London (2007).

21 Bruquetas Galán, R., Técnicas y Materiales de la Pintura Española en los Siglos de Oro, Fundación de Apoyo a la Historia del Arte Hispánico, Madrid (2002).

22 Breve Tratado de Iluminação, manuscrito da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, Coimbra (s/d).

23 Bluteau, R., Vocabulario Portuguez e Latino, 10 volumes, Coimbra - Lisboa (1712-1728).

24 Cruz, A. J., 'Para que serve à história da arte a identificação dos pigmentos utilizados numa pintura?', Artis - Revista do Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras de Lisboa 5 (2006) 445-462.

25 Sampayo, D. C., Dissertação sobre as Cores Primitivas: Com hum Breve Tratado da Composição Artificial das Cores, Regia Oficina Typographica, Lisboa (1788).

26 Segredos Necessários para os Officios, Artes, e Manufacturas. Tomo II, Offic. de Simão Thaddeo Ferreira, Lisboa (1794).

27 Hofenk de Graaff, J. H., The Colourful Past. Origins, chemistry and identification of natural dyestuffs, Abegg Stiftung - Archetype Publications, Riggisberg - London (2004).

28 Oudin, C., Tesoro de las dos lenguas francesa y española. Thresor des deux langues françoise et espagnolle, Chez Marc Orry, Paris (1607).

29 Thompson, D. V., The Materials and Techniques of Medieval Painting, Dover Publications, Inc., New York (1956).

30 Cardon, D., Le Monde des Teintures Naturelles, Éditions Belin, Paris (2003).

31 Wallert, A., 'A mediaeval colourant in the 17th century: turnsole', in Art of the Past - Sources and Reconstructions, ed. M. Clarke, J. H. Townsend, A. Stijnman, Archetype Publications, London (2005) 98-100.

32 Lopes, J. B. S., Corografia ou Memoria economica, estadistica e topografica do Reino do Algarve, Lisboa (1841).

33 Delamare, F., Bleus en poudres. De l'Art à l'Industrie 5000 ans d'Innovations, Mines Paris - Paris Tech, Paris (2007).

34 Real Academia Española, Diccionario de la Lengua Castellana. Tomo tercero, Imprenta de la Real Academia Española, Madrid (1732).

35 Palomino Velasco, A., El Museo Pictorico, y Escala Optica. Tomo segundo, Viuda de Juan Garcia Infançon, Madrid (1724).

36 Harley, R. D., Artists' Pigments. c. 1600-1835. A study in english documentary sources, 2.ª ed., Archetype Publications, London (2001).

37 Lucio, J. B., Colecção de Receitas, e Segredos Particulares Necessarios para o Tintureiro, e para a Maior Parte dos Artistas. Tomo I, Typographia de M. J. Coelho, Lisboa (1844).

38 Almada, J. L. B., Prendas da Adolescencia, ou adolescencia prendada com as prendas, artes, e curiosidades mais uteis, deliciosas, e estimadas em todo o mundo, Off. de Francisco da Silva, Lisboa (1749).

39 Herculano, A.; Castello de Paiva, B., Roteiro da Viagem de Vasco da Gama em MCCCCXCVII, 2.ª ed., Imprensa Nacional, Lisboa (1861).

40 Davies, M.; Ferreira, M. J., O Corpus do Português (45 milhões de palavras, sécs. XIV-XX), http://www.corpusdoportugues.org (acesso em 16-6-2008).

41 Chaumeton, F. P.; Chamberet, J. B.; Poiret, J. L. M., Flore Médicale. Tome cinquiéme, Paris (1818).

42 Pacheco, F., Arte de la Pintura, Su Antiguedad y Grandezas, Simon Faxardo, Sevilla (1649).

43 Lebrun, P., 'Recueuil des Essaies des Merveilles de la Peinture', in Medieval and Renaissance Treatises on the Arts of Painting, ed. M. P. Merrifield, Dover Publications, New York (1999) 766-841.

44 Winter, J.; Fitzhugh, E. W., 'Pigments based on carbon', in Artists' Pigments. A handbook of their history and characteristics. Volume 4, ed. B. H. Berrie, National Gallery of Art - Archetype Publications, Washington - London (2007) 1-37.

45 Cruz, A. J.; Afonso, L. U., 'On the date and contents of a Portuguese medieval technical book on illumination: O livro de como se fazem as cores', Medieval History Journal 11(1) (2008) 1-28.

46 Sá, A. M., 'Abraão B. Judah Ibn Hayyim. O livro de como se fazem as cores', Revista da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa 4 (1960) 210-223.

47 Vandelli, D., 'Memoria sobre algumas produções naturaes deste Reino, das quaes se poderia tirar utilidade', in Memorias Economicas. Tomo I, Academia Real das Sciencias, Lisboa (1789) 176-186.

48 Thompson, D. V., Jr., Cennino d'Andrea Cennini. The Craftsman's Handbook. The italian Il Libro dell'Arte, Dover Publications, Inc., New York (1960).

49 Fortes, M. A., Tratado da Architectonica, ou Architetura militar, ou Fortificação das Praças, manuscrito do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Lisboa (s/d).

50 Brunello, F., The Art of Dyeing in the History of Mankind, Neri Pozza Editore, Vicenza (1973).

51 Cabral, J. M. P., 'História Breve dos Pigmentos. 4. Das Artes da Idade Média (2.ª parte)', Química. Boletim da Sociedade Portuguesa de Química 104 (2007) 39-50.

Endereço persistente: https://doi.org/10.14568/cp6_5


< Anterior Seguinte >
ARP | Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal