English version
N.º 3-4
2006
pp. 17-24

 

< Anterior Seguinte >

Artigo
O sistema de acondicionamento e os materiais de um conjunto de pastéis de José Malhoa e as suas consequências no estado de conservação

Dries van Eijk1,*, Vicente Custódio Moreira de Souza2

1 Escritório de Arquitetura de Dick van Gameren, Barentzplein 7, 1013 NJ, Amsterdam, Países Baixos

2 Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, UFF, Rua Passo da Pátria, 156, CEP 24210-240 Niterói, Brasil

* dvaneijk@gmail.com

Resumo

Esse artigo aborda a evolução da que é, talvez, a mais antiga técnica construtiva importada para o Brasil, a taipa de pilão, e vários aspectos em relação ao patrimônio e outras edificações com significância cultural. Não pretende ser uma inventarização de todo o patrimônio envolvido, mas um estudo cuidadoso da literatura sobre a origem da técnica taipa de pilão em geral e suas antecedentes, e uma indicação de onde podemos encontrá-las no Brasil.Também é explicado o termo, que freqüentemente é utilizado de forma errônea, "formigão" e a função essencial do agregado cal para sua conservação. No final, é explicado porque é que São Paulo continuou a tradição da taipa de pilão por mais tempo que o resto do país e são discutidas as causas do seu desaparecimento.

Palavras-chave

Taipa de pilão
Patrimônio
Brasil

Idioma

Português

DOI

10.14568/cp3-4_2

Download

PDF

Importar referência

RIS | Endnote

Citação

Conservar Património | APA | Chicago | NP405 | ABNT

Conservar Património:
Eijk, D.; Souza, V. C. M., 'O sistema de acondicionamento e os materiais de um conjunto de pastéis de José Malhoa e as suas consequências no estado de conservação', Conservar Património 3-4 (2006) 17-24, https://doi.org/10.14568/cp3-4_2.

APA:
Eijk, D., & Souza, V. C. M. (2006). O sistema de acondicionamento e os materiais de um conjunto de pastéis de José Malhoa e as suas consequências no estado de conservação. Conservar Património, 3-4 17-24. DOI:10.14568/cp3-4_2.

Chicago:
Eijk, Dries van, and Vicente Custódio Moreira de Souza. 2006. "O sistema de acondicionamento e os materiais de um conjunto de pastéis de José Malhoa e as suas consequências no estado de conservação." Conservar Património 3-4:17-24. doi:10.14568/cp3-4_2.

NP405:
EIJK, Dries van; SOUZA, Vicente Custódio Moreira de – O sistema de acondicionamento e os materiais de um conjunto de pastéis de José Malhoa e as suas consequências no estado de conservação. Conservar Património. [Em linha]. 3-4 (2006) 17-24 [Consult. ]. Disponível em WWW: <URL:https://doi.org/10.14568/cp3-4_2>. ISSN 21829942.

ABNT:
EIJK, Dries van; SOUZA, Vicente Custódio Moreira de. O sistema de acondicionamento e os materiais de um conjunto de pastéis de José Malhoa e as suas consequências no estado de conservação. Conservar Património, Lisboa, v. 3-4, p. 17-24, 2006. Disponível em: <https://doi.org/10.14568/cp3-4_2>. Acesso em: .

História

Online: 2017-10-3
Publicação: 2007-3-27

Referências

1 López, M.J.de la Torre; Sebastián, P.E.; Rodríguez, G.J.,'A study of the wall material in the Alhambra (Granada, Spain)', Cement and Concrete Research 26(6) (1996) 825-839.

2 Corominas, J.; Pascual, J.A., Diccionário Crítico Etimológico Castellano e Hispánico, Editorial Gredos, Madrid (1983) 410.

3 Correia, M.; Merten, J., A Taipa Alentejana: Sistemas Tradicionais de Protecção, II SIACOT, Madrid (2003).

4 Schmidt, C.B., 'Construções de Taipa', Boletim de Agricultura, São Paulo (1949).

5 Vasconcellos, S. de, Arquitetura no Brasil: sistemas construtivos, 5ª edição revista, UFMG, Belo Horizonte (1979).

6 Ávila, A.; Gontijo, J.M.M.; Machado R.G., Barroco Mineiro: Glossário de Arquitetura e ornamentação, Cia. Melhoramentos, São Paulo (1980) 220.

7 Ribeiro O., Geografia e Civilização, Instituto de Alta Cultura, Lisboa (1961).

8 Corona, E.; Lemos, C.A.C., Dicionário de arquitetura brasileira, 2.ª edição (Fac.-Simili), Editora e Distribuidora Artshow Books Ltda, São Paulo (1989).

9 Minke, G., Lehmbau - Handbuch, Der baustoff Lehm und seine Anwendung,Okobuch Verlag, Freiburg (1995).

10 Reis Filho, N.G., Evolução Urbana do Brasil, Livraria pioneira, Edusp, São Paulo (1968).

11 Reis Filho, N.G., http://www.arcoweb.com.br/entrevista/entrevista52.asp (acesso em 29-7-2005).

12 Puccioni, S.; Lyra, C.C., 'O uso da taipa de pilão em construções luso-brasileiras', 7ª Conferência Internacional sobre o Estudo e Conservação da Arquitetura de Terra, Silves, Portugal,DGEMN (1993) 296-298.

13 Oliveira, M.M., 'A Conservação do patrimônio edificado em terra' em I Seminário Ibero-Americano de Construção com Terra 16-18 setembro 2002 Salvador, edit C. Neves e C. Santiago, Projeto PROTERRA, Salvador (2002).

14 Lemos, C.A.C., Casa Paulista, Edusp (1999).

15 http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Paulo_(cidade), (acesso em 8-7-2005).

16 Sampaio S., 'São Paulo - The impact of change and the recovery of intangible heritage', ICOMOS 14th General Assembly and Scientific Symposium - "Place, Memory, Meaning: Preserving Intangible Values in Monuments and Sites",Victoria Falls, Zimbabwe, 27-31 October 2003.

17 Santos F.P., A Arquitetura Religiosa em Ouro Preto, Livraria Kosmos, Rio de Janeiro (1951).

18 Telles A.C. da S., Atlas dos Monumentos Históricos e Artísticos do Brasil, Nova Cultural, São Paulo (1986).

19 Saia L., Morada Paulista, Editora Perspectiva, São Paulo (1972).

20 Palazzi Zakia S.A., 'Senzala da antiga Fazenda Lapa: um estudo de caso', Memória e vida cultural de Campinas - SARAO 3(6) (2005).

21 Farjallat C.S., A catedral de Campinas, Correio Popular, Campinas (8-12-2000).

22 Pereira P.C.X., 'Negando a tradição: Tebas e a negação das construções de taipa em São Paulo', 7ª Conferência Internacional sobre o Estudo e Conservação da Arquitetura de Terra. Silves, Portugal, DGEMN (1993) 134-138.

23 De Souza V.C.M.; Van Eijk D., 'Restauração de taipa de pilão, um estudo de caso: igreja matriz de Nossa Senhora do Rosário, Pirenópolis (GO), Brasil', 4th International Conference on the Behaviour of Damaged Structures, João Pessoa, (2005) 1179-1193.

Endereço persistente: https://doi.org/10.14568/cp3-4_2


< Anterior Seguinte >
ARP | Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal