English version
Conservar Património,
n.º 25, 2017,
pp. 15-22

 

< Anterior Seguinte >

Artigo
Mudança de paradigma na Conservação e Restauro após a catástrofe: o caso de estudo dos Documentos Gráficos

Maria da Conceição Lopes Casanova1,2

1 Museu Nacional de História Natural e da Ciência – ULisboa , Rua da Escola Politécnica, 56-58, 1250-102 Lisboa, Portugal

2 Departamento de Conservação e Restauro, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Campus Caparica, 2829-516 Caparica, Portugal

mccasanova@museus.ulisboa.pt

Resumo

Com este artigo pretende-se abordar o papel da catástrofe, enquanto motor de alterações profundas, para a mudança de paradigma na intervenção de conservação e restauro de documentos gráficos, com base em diferentes casos de estudo que integram as duas tipologias de acidente que mais frequentemente afetam as obras em papel: a inundação e o incêndio. Tomam-se como exemplos a inundação de Florença, em 1966, que atingiu a Biblioteca Nazionale Centrale di Firenze, a partir da qual se rompeu, definitivamente, com o restauro mimético, e o incêndio do National Personal Records Center, de 1973, que facilitou a procura de métodos não invasivos para recuperação da informação, através do desenvolvimento de métodos preventivos e da aplicação do restauro digital no século XXI. Em paralelo, são colocados dois casos ocorridos em Portugal: a inundação da região de Lisboa em 1967, que afetou as coleções Calouste Gulbenkian, e o incêndio da Escola Politécnica, em 1978, que destruiu parte do Arquivo Histórico do Museu Bocage.

Palavras-chave

Inundações; Incêndios; Documentos gráficos; Restauro mimético; Conservação; Restauro digital

Idioma

Português

DOI

10.14568/cp2016034

Download

PDF

Importar referência

RIS

Endereço persistente: http://dx.doi.org/10.14568/cp2016034


< Anterior Seguinte >
ARP | Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal