English version
N.º 27
2018
pp. 63-69

 

< Anterior Seguinte >

Nota
Os tecidos fingidos na pintura a fresco dos séculos XV e XVI no Norte de Portugal - estudo de um motivo

Joaquim Inácio Caetano

ARTIS – Instituto de História da Arte, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Alameda da Universidade 1600-214 Lisboa, Portugal

joaquimcaet@gmail.com

Resumo

O fingimento de tecidos na pintura a fresco dos séculos XV e XVI em Portugal, insere-se num contexto mais amplo, que é o da sua vertente decorativa e capacidade de imitação de outros materiais e equipamentos. Esse papel assume vários aspectos que vão desde a existência de composições decorativas independentes, com vários tipos de linguagem onde o grotesco tem uma presença significativa, passando pela imitação de aparelhos construtivos, de retábulos e de tecidos como, por exemplo, no segundo plano das composições figurativas, em frontais de altar e imitando panos da armar a forrar a capela-mor, alguns com evidente intenção ilusionista, percebendo-se que, no que diz respeito aos motivos de imitação de tecidos, muitos deles tinham como referência verdadeiros tecidos da época, ou anteriores. Apresentamos o caso de um motivo específico e a sua ocorrência numa área restrita do território português e espanhol junto à fronteira com Zamora.

Palavras-chave

Fresco
Século XVI
Tecidos fingidos

Idioma

Português

DOI

10.14568/cp2016044

Download

PDF

Importar referência

RIS | Endnote

Citação

Conservar Património | APA | Chicago | NP405 | ABNT

Conservar Património:
Caetano, J. I., 'Os tecidos fingidos na pintura a fresco dos séculos XV e XVI no Norte de Portugal - estudo de um motivo', Conservar Património 27 (2018) 63-69, https://doi.org/10.14568/cp2016044.

APA:
Caetano, J. I. (2018). Os tecidos fingidos na pintura a fresco dos séculos XV e XVI no Norte de Portugal - estudo de um motivo. Conservar Património, 27 63-69. DOI:10.14568/cp2016044.

Chicago:
Caetano, Joaquim Inácio. 2018. "Os tecidos fingidos na pintura a fresco dos séculos XV e XVI no Norte de Portugal - estudo de um motivo." Conservar Património 27:63-69. doi:10.14568/cp2016044.

NP405:
CAETANO, Joaquim Inácio – Os tecidos fingidos na pintura a fresco dos séculos XV e XVI no Norte de Portugal - estudo de um motivo. Conservar Património. [Em linha]. 27 (2018) 63-69 [Consult. ]. Disponível em WWW: <URL:https://doi.org/10.14568/cp2016044>. ISSN 21829942.

ABNT:
CAETANO, Joaquim Inácio. Os tecidos fingidos na pintura a fresco dos séculos XV e XVI no Norte de Portugal - estudo de um motivo. Conservar Património, Lisboa, v. 27, p. 63-69, 2018. Disponível em: <https://doi.org/10.14568/cp2016044>. Acesso em: .

História

Recebido: 2016-12-11
Revisto: 2017-3-25
Aceite: 2017-4-2
Online: 2017-6-23

Referências

1 Caetano, J. I., ‘O papel decorativo da pintura a fresco dos séculos XV e XVI em Portugal’, Revista de Artes Decorativas (aceite).

2 Caetano, J. I., ‘Retábulos fingidos na pintura mural portuguesa’, in O Retábulo no Espaço Ibero-Americano. Forma, Função e Iconografia, vol. 1, ed. A. C. Glória, Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Lisboa (2016), 353-365, http://hdl.handle.net/10362/16423.

3 Cavaco, H., “Visitações” da Ordem de Santiago no Sotavento Algarvio, Câmara Municipal, Vila Real de Santo António (1987).

4 Jones, O., The Grammar of Ornament, Herbert Press, London (2010).

5 Obeso, A. G.; Sancho, R. C., Estudio y Documentación de Conjuntos de Pinturas Murales en la Comarca de Sayago (Zamora), Valladolid (2012), http://www.jcyl.es/jcyl/patrimoniocultural/sayago/el-estudio.html (acesso em 2017-04-02).

6 Caetano, J. I., O Marão e as Oficinas de Pintura Mural nos Séculos XV e XVI, Ed. Aparição, Lisboa (2001).

7 Caetano, J. I., ‘Motivos decorativos de estampilha na pintura a fresco dos séculos XV e XVI no Norte de Portugal. Relações entre pintura mural e de cavalete’, dissertação de doutoramento, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa (2011), http://hdl.handle.net/10362/16423.

8 Caetano, J. I., ‘Um novo exemplar de pintura renascentista. A pintura mural da Igreja de Nossa Senhora da Conceição de Aldeia Nova, Trancoso’, Invenire 10 (2015) 24-28.

9 Fridolin, S., The Illustrated Bartsch. German Book, Anonymous Artists 1482-1483, Abaris Books, New York (1985).

Endereço persistente: https://doi.org/10.14568/cp2016044


< Anterior Seguinte >
ARP | Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal