English version
N.º 22
2015
pp. 7-16

 

< Anterior Seguinte >

Artigo
Dourar e pintar: a polivalência artística dos mestres douradores de Lisboa na época barroca

Sílvia Ferreira

Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Portugal

silvia.a.s.ferreira@gmail.com

Resumo

A versatilidade artística dos pintores douradores do período barroco em Lisboa está cabalmente documentada nos contratos de obra e nos livros de contas das várias irmandades, ordens religiosas e outros encomendadores. Tal como acontecia com entalhadores, pedreiros ou pintores de azulejo, os pintores douradores eram escolhidos pelos comitentes de obra a fim de elaborarem programas artísticos consentâneos com a noção barroca de bel composto. As encomendas, por vezes, não se referiam apenas ao douramento dos altares, mas incluíam o encarnar de figuras e o estofar de vestes das mesmas, bem como de pássaros e flores. De igual forma, a pintura de tectos e de colunas e a pintura imitando outros materiais, tais como o mármore, eram pedidos constantes. A polivalência artística da época, no que à pintura concerne, afere-se ainda pela constatação que muitos destes artistas executaram, também, pintura de cavalete, nomeadamente, para as capelas-mores, naves e sacristias.

Palavras-chave

Dourar
Pintar
Talha
Lisboa
Barroco

Idioma

Português

DOI

10.14568/cp2015017

Download

PDF

Importar referência

RIS | Endnote

Citação

Conservar Património | APA | Chicago | NP405 | ABNT

Conservar Património:
Ferreira, S., 'Dourar e pintar: a polivalência artística dos mestres douradores de Lisboa na época barroca', Conservar Património 22 (2015) 7-16, https://doi.org/10.14568/cp2015017.

APA:
Ferreira, S. (2015). Dourar e pintar: a polivalência artística dos mestres douradores de Lisboa na época barroca. Conservar Património, 22 7-16. DOI:10.14568/cp2015017.

Chicago:
Ferreira, Sílvia. 2015. "Dourar e pintar: a polivalência artística dos mestres douradores de Lisboa na época barroca." Conservar Património 22:7-16. doi:10.14568/cp2015017.

NP405:
FERREIRA, Sílvia – Dourar e pintar: a polivalência artística dos mestres douradores de Lisboa na época barroca. Conservar Património. [Em linha]. 22 (2015) 7-16 [Consult. ]. Disponível em WWW: <URL:https://doi.org/10.14568/cp2015017>. ISSN 21829942.

ABNT:
FERREIRA, Sílvia. Dourar e pintar: a polivalência artística dos mestres douradores de Lisboa na época barroca. Conservar Património, Lisboa, v. 22, p. 7-16, 2015. Disponível em: <https://doi.org/10.14568/cp2015017>. Acesso em: .

História

Recebido: 2015-7-16
Revisto: 2015-9-28
Aceite: 2015-10-9
Online: 2015-12-29
Publicação: 2016-1-27

Referências

1 Serrão, V., 'O desvario do ornamento de brutesco na pintura de tectos do mundo português, 1580-1720', in Struggle for Synthesis. A Obra de Arte Total nos Séculos XVII e XVIII, ed. I. Lage, IPPAR, Lisboa (1999) 283-302.

2 Ferreira-Alves, N., 'Iconografia e simbólica cristãs. Pedagogia da mensagem', Theologica, 30(1) (1995).

3 Lima, D., História dos Mosteiros, Conventos e Casas Religiosas de Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, Lisboa (1950-1972).

4 Sá, M., Memorias Historicas da Ordem de N. S. do Carmo da Provincia de Portugal, 1.ª parte, Officina de Joseph Antonio da Sylva, Lisboa Occidental (1727).

5 Santa Maria, N., Chronica da Ordem dos Conegos Regrantes do Patriarcha S. Agostinho, Parte II, Officina de Joam da Costa, Lisboa (1668).

6 Sousa, F., O Terramoto do 1.º de Novembro de 1755 em Portugal e um Estudo Demográfico, Vol. III - Distrito de Lisboa, Tipografia do Comércio, Lisboa (1928).

7 Portugal, F.; Matos, A., Lisboa em 1758. Memórias Paroquiais, Câmara Municipal de Lisboa, Lisboa (1974).

8 Coutinho, M.; Ferreira, S., 'Devoção e recreação: Celebrações na igreja inaciana de S. Roque', in Lisboa e a Festa: Celebrações Religiosas e Civis na Cidade Medieval e Moderna, ed. T. L. Vale; M. J. Ferreira; S. Ferreira, Câmara Municipal de Lisboa, Lisboa (2009) 269-291.

9 Coutinho, M.; Ferreira. S., 'Construindo identidades: Reconhecimento dos elementos decorativos comuns na azulejaria, embutidos marmóreos e talha dourada', in A Herança de Santos Simões. Novas perspectivas para o estudo da azulejaria e da cerâmica, ed. S. Flor, Edições Colibri, Lisboa (2014) 393-411.

10 Ferreira, S., 'A talha barroca de Lisboa (1670-1720). Os artistas e as obras', tese de doutoramento, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa (2009).

11 Ferreira-Alves, N., A Arte da Talha no Porto na Época Barroca. Artistas e Clientela, Materiais e Técnica, Câmara Municipal do Porto, Porto (1989).

12 Serrão, V.; Dacos, N., 'Do grotesco ao brutesco: As artes ornamentais e o fantástico em Portugal (séculos XVI a XVIII)', in Portugal e a Flandres - Visões da Europa (1550-1680), Instituto Português do Património Cultural, Bruxelas-Lisboa (1992) 37-53.

13 Jorge, P., 'Bernardo da Costa Barradas: um pintor-dourador de Lisboa (1706-1747)', Cadernos do Arquivo Municipal 1 (2014) 251-275, http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/investigacao/cadernos-do-arquivo-municipal/2-serie/numero-1/ (acesso em 2015-10-09).

14 Cardoso, M., 'Gesso Layers on Portuguese Baroque Altarpieces: materials, practices and durability', tese de doutoramento, University College, London (2010).

15 Gilt Teller - Um Estudo Interdisciplinar Multi-escala das Técnicas e dos Materiais de Douramento em Portugal, 1500-1800, http://www.gilt-teller.pt (acesso em 2015-04-10).

16 Cruz, A., Os Mesteres do Porto: Subsídios para a História das Antigas Corporações dos Ofícios Mecânicos, Subsecretariado de Estado das Corporações e Previdência Social, Porto (1943) 195-196.

17 'Regimento dos Pintores', Cadernos do Arquivo Municipal, 1 (2014) 279-282, http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/investigacao/cadernos-do-arquivo-municipal/2-serie/numero-1/ (acesso em 2015-10-09).

18 'Regimento dos Douradores', Cadernos do Arquivo Municipal, 1 (2014) 283-288, http://arquivomunicipal.cmlisboa.pt/pt/investigacao/cadernos-do-arquivo-municipal/2-serie/numero-1/ (acesso em 2015-10-09).

19 Kubler, G., The Antiquity of the Art of Painting, by Felix da Costa, Yale University Press, New Haven and London (1967) 127vº-135vº.

20 Teixeira, F. A. G., A Irmandade de S. Lucas, Lisboa (1931).

21 Coutinho, M.; Ferreira, S.; Flor, S.; Serrão, V., 'Contributos para o conhecimento dos pintores de Lisboa na época barroca (1664-1720)', Boletim Cultural da Assembleia Distrital de Lisboa, 96(1) (2011) 39-98.

22 Serrão, V., A Cripto-História de Arte. Análise de Obras Inexistentes, Livros Horizonte, Lisboa (2001) 101-124.

23 Meco, J., 'Azulejos de Gabriel del Barco na região de Lisboa. Período inicial até cerca de 1691-pintura de tectos', Boletim Cultural da Assembleia Distrital de Lisboa, 85 (1979), 78-79.

24 Serrão, V., 'O "brutesco nacional" e a pintura de azulejos no tempo do barroco (1640-1725)', in Um Gosto Português. O Uso do Azulejo no Século XVII, ed. M. A. P. Matos, Babel - MNAz, Lisboa (2012) 188.

25 Serrão, V., 'A actividade artística de António de Oliveira Bernardes na igreja da Conceição da Luz: um exemplo de cripto-história de arte', in A Herança de Santos Simões. Novas Perspectivas para o Estudo da Azulejaria e da Cerâmica, ed. S. V. Flor, Edições Colibri, Lisboa (2014) 459-474.

26 Flor, S., 'As relações artísticas entre pintores a óleo e de azulejo perspectivadas a partir da oficina de Marcos da Cruz (a.1637-1683)', Artis 9-10 (2010-2011) 291-307.

27 Saldanha, N., 'Jerónimo da Silva. Um pintor da Lisboa joanina', in Lisboa Barroca e o Barroco de Lisboa, ed. T. L. M. Vale, Livros Horizonte, Lisboa (2007) 109-122.

28 'Instrumento de obrigação', manuscrito, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cartório Notarial de Lisboa, n.º 2 (antigo n.º 1), Caixa 74, Livro 359, fls. 75-76 (1715).

29 'Livro original de todas as memórias da Irmandade de S. Lucas, desde 1637 até 1790. Composto dos sete livros e acrescentado de um índex copioso ordenado por Cyrillo Volkmar Machado no ano de 1791, ano em que foi Juiz Sr. Pedro Alexandrino Carvalho' manuscrito, Academia Nacional de Belas-Artes, XX/8/14 (1791).

30 'Instrumento de contrato e obrigação', manuscrito, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cartório Notarial de Lisboa, n.º 3 (antigo n.º 11), Caixa. 83, Livro 315, fls. 22-22 v.º (1677).

31 'Rol de confessados da freguesia de Santa Catarina de Lisboa', manuscrito, Arquivo Histórico do Patriarcado de Lisboa, (1673).

32 'Obrigação a Irmandade do Dezamparo a Antonio Rodrigues', manuscrito, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cartório Notarial de Lisboa, n.º 1 (antigo n.º 12A), Caixa 60, Livro 250, fls. 75-76 (1679).

33 'Doirado e Pintura do tecto da capella mór', manuscrito, Arquivo Paroquial da Igreja de S. João Baptista do Lumiar, Irmandade do Santíssimo Sacramento, Documento avulso, s/n fl. (1707).

34 Serrão, V., História da Arte em Portugal. O Barroco, Lisboa, Editorial Presença (2003) 55-60.

35 Serrão, V., O Maneirismo e o Estatuto Social dos Pintores Portugueses, Imprensa Nacional Casa da Moeda, Lisboa (1983) 183-189.

36 Serrão, V., A Pintura Proto-Barroca em Portugal 1612-1657. O Triunfo do Naturalismo e do Tenebrismo, Edições Colibri, Lisboa (2000) 356-376.

37 Coutinho, M., 'A produção portuguesa de obras de embutidos de pedraria polícroma (1670-1720)', tese de doutoramento, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa (2010).

38 Ferreira, S., A Igreja de Santa Catarina. A Talha da Capelamor, Livros Horizonte, Lisboa (2008).

Endereço persistente: https://doi.org/10.14568/cp2015017


< Anterior Seguinte >
ARP | Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal