Versão em português
N.º 3-4
2006
pp. 53-71

 

< Previous Next >

Article
Renovation, overpainting, inpainting: strategies of the painter-restorer in Portugal, from the 16th to 19th century. Ideological reasons for the iconoclast and the iconofylic practices, or the concept of «utilitarian restoration» versus «scientific restoration»

Vitor Serrão

Departamento de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Abstract

The study of Portuguese art during the Modern Age, and the very recurrent activity of «painting restoration», concludes that the dominant practice then referenced as «retoque» (inpainting), «repinte» (overpainting), «renovação» (renovation) and even «restauro» (restoration), herein designated as «corrective and utilitarian restoration», was common to the best artists during the period between the 16th and the 18th centuries.Those interventions, which were commended by the church and the nobility, were nearly always considered a noble activity. The terminologies and the techniques then used are explained as well as the various reasons (moral, theological, aesthetic, decorous, and others) for undertaking that type of work, which is assumed as the precursor of the 19th century «scientific restoration». «Renovation» criteria, iconoclast and iconofylic practice related to this «utilitarian restoration» are discussed herein and important figures of Portuguese painting such as Francisco Venegas, Diogo Teixeira, André Reinoso, António Pereira Ravasco, Francisco Vieira Lusitano, amongst others, were also «painters-restorers» within those existing concepts. It is further reminded that to be a «painter-restorer», always in the perspective of an artistic «re-creation», was a motive for added pride for artists such as Pietro Guarienti,Vieira Lusitano, Pereira Pegado or Inácio Coelho Valente.

Keywords

Painting
Overpainting
Inpainting
Renovation
Utilitarian restoration
Corrective restoration
Scientific restoration

Language

Portuguese

Original title

«Renovar», «repintar», «retocar»: estratégias do pintor-restaurador em Portugal, do século XVI ao XIX. Razões ideológicas do iconoclasma destruidor e da iconofilia conservadora, ou o conceito de «restauro utilitarista» versus «restauro científico»

DOI

10.14568/cp3-4_5

Download

PDF

Download citation

RIS | Endnote

Citation

Conservar Património | APA | Chicago | NP405 | ABNT

Conservar Património:
Serrão, V., '«Renovar», «repintar», «retocar»: estratégias do pintor-restaurador em Portugal, do século XVI ao XIX. Razões ideológicas do iconoclasma destruidor e da iconofilia conservadora, ou o conceito de «restauro utilitarista» versus «restauro científico»', Conservar Património 3-4 (2006) 53-71, https://doi.org/10.14568/cp3-4_5.

APA:
Serrão, V. (2006). «Renovar», «repintar», «retocar»: estratégias do pintor-restaurador em Portugal, do século XVI ao XIX. Razões ideológicas do iconoclasma destruidor e da iconofilia conservadora, ou o conceito de «restauro utilitarista» versus «restauro científico». Conservar Património, 3-4 53-71. DOI:10.14568/cp3-4_5.

Chicago:
Serrão, Vitor. 2006. "«Renovar», «repintar», «retocar»: estratégias do pintor-restaurador em Portugal, do século XVI ao XIX. Razões ideológicas do iconoclasma destruidor e da iconofilia conservadora, ou o conceito de «restauro utilitarista» versus «restauro científico»." Conservar Património 3-4:53-71. doi:10.14568/cp3-4_5.

NP405:
SERRÃO, Vitor – «Renovar», «repintar», «retocar»: estratégias do pintor-restaurador em Portugal, do século XVI ao XIX. Razões ideológicas do iconoclasma destruidor e da iconofilia conservadora, ou o conceito de «restauro utilitarista» versus «restauro científico». Conservar Património. [Em linha]. 3-4 (2006) 53-71 [Consult. ]. Disponível em WWW: <URL:https://doi.org/10.14568/cp3-4_5>. ISSN 21829942.

ABNT:
SERRÃO, Vitor. «Renovar», «repintar», «retocar»: estratégias do pintor-restaurador em Portugal, do século XVI ao XIX. Razões ideológicas do iconoclasma destruidor e da iconofilia conservadora, ou o conceito de «restauro utilitarista» versus «restauro científico». Conservar Património, Lisboa, v. 3-4, p. 53-71, 2006. Disponível em: <https://doi.org/10.14568/cp3-4_5>. Acesso em: .

History

Online: 2017-10-3
Publication: 2007-3-27

References

1 Carvalho, R.;Vitorino, P., 'A "Trindade"do Museu do Porto, vista aos raios X', Portucale, 7(39) (1934).

2 Couto, J., 'Aspectos actuais do problema do tratamento das pinturas', Boletim do Museu Nacional de Arte Antiga, 3 (1952) 3-23.

3 Couto, J.; Valadares, M., 'A "Salomé" de L. Cranach, o Velho. A intervenção do "Laboratório para o exame das obras de arte" do Museu das Janelas Verdes, nos trabalhos preparatórios do restauro da pintura - Salomé, de Lucas Cranach, o Velho', Boletim da Academia Nacional de Belas Artes, 4 (1938) 39-54.

4 Reis-Santos, L., Os processos científicos no estudo e conservação da pintura antiga, Porto (1939).

5 Burnay, L. O., 'Algumas considerações sobre o restauro das pinturas antigas', Boletim da Academia Nacional de Belas Artes, 14 (1945) 62-65.

6 Teixeira, L. M., 'Carlos Bonvalot no estudo e tratamento da pintura portuguesa à luz dos métodos científicos', in O Estudo da Pintura Portuguesa Antiga num Relatório Técnico de 1932, IPPC, Lisboa (1981) 29-41.

7 Rodrigues, P. S., 'Da História da Conservação e do Restauro: Das Origens ao Portugal Oitocentista', in volume a publicar pelo Instituto Português de Conservação e Restauro, Lisboa (2007).

8 Carvalho, J.A. S.;Vandevivere, I.,'Desenho preparatório e realização pictural', in Nuno Gonçalves. Novos Documentos. Estudo da pintura portuguesa do séc. XV, Instituto Português de Museus - Reproscan, Lisboa (1994) 81-89.

9 Cruz,A. J.,'Do certo ao incerto: o estudo laboratorial e os materiais do políptico de S. Vicente', in Nuno Gonçalves. Novos Documentos. Estudo da pintura portuguesa do séc. XV, Instituto Português de Museus - Reproscan, Lisboa (1994) 41-45.

10 Cruz,A. J.,'A radiografia no Laboratório para o Exame das Obras de Arte, do Museu Nacional de Arte Antiga (1936-1965)', in 100 Anos da Descoberta dos Raios X. A radiação X no desenvolvimento científico e na sociedade, Universidade Nova, Lisboa (1995) 61-62.

11 Cruz, A. J., 'Imagens perdidas, imagens achadas: pinturas reveladas pelos raios X no Instituto José de Figueiredo', in Actas do Simpósio Comemorativo do Centenário da Descoberta dos Raios X, Universidade de Coimbra, Coimbra (1996) 83-103.

12 Cruz, A. J., 'A matéria de que é feita a arte. Contribuições para o estudo da pintura portuguesa', Química. Boletim da Sociedade Portuguesa de Química, 84 (2002) 39-44.

13 Pessoa, J., 'Pedro Vitorino e Roberto de Carvalho - a tábua da "Trindade", radiografia de um exame feito há setenta anos', in Cores, Figura e Luz. Pintura Portuguesa do Século XVI, Museu Nacional Soares dos Reis, Porto (2004).

14 Braga,A.T.,'A evolução dos critérios de intervenção de restauro em Portugal', Prorestauro, http://www.prorestauro.com/index.php?option= content&task=view&id=144 (acesso 4-1-2007).

15 Neto, M. J. B., 'Carta de Cracóvia 2000. Os princípios de restauro para uma nova Europa', Estudos-Património, 3 (2001) 93-99.

16 Moura, A., 'Valorização dos elementos autênticos na obra de arte', João Couto. In Memoriam, Lisboa (1971) 123-135.

17 Serrão,V., O Maneirismo e o Estatuto Social dos Pintores Portugueses, Imprensa Nacional / Casa da Moeda, Lisboa (1983).

18 Serrão,V., A Trans-Memória das Imagens. Estudos iconológicos de pintura portuguesa (séculos XVI a XVIII), Cosmos, Lisboa (2007).

19 Fernandes,C. M.V., A Igreja de Santa Maria do Castelo de Tavira, Colibri - Câmara Municipal de Tavira, Lisboa - Tavira (2000).

20 Cruz,A. J.,'Imagens em transformação: os painéis de Santa Maria, de Tavira, encontrados na ermida de São Pedro, e os problemas colocados pelo seu restauro e estudo laboratorial', Conservar Património, 2 (2005) 29-53, https://doi.org/10.14568/cp2_4.

21 Gonçalves, F., História da Arte, Iconografia e Crítica, Imprensa Nacional / Casa da Moeda, Lisboa (1990).

22 Pereira, F.A. B., O Museu de Setúbal, Setúbal (1990).

23 Almada, J. L. B., Prendas da Adolescencia, ou adolescencia prendada com as prendas, artes, e curiosidades mais uteis, deliciosas, e estimadas em todo o mundo: obra utilissima nam só para os ingenuos adolescentes, mas para todas, e quaesquer pessoas curiosas; e principalmente para os inclinados ás Artes, ou Prendas de Escrever, Contar, Cetrear, Dibuxar, Illuminar, Pintar, Colorir, Bordar, Entalhar, Miniaturar, etc, Off. de Francisco da Silva, Lisboa (1749).

24 Segredos Necessários para os Officios, Artes, e Manufacturas, e para muitos objectos sobre a economia domestica, extrahidos da Encyclopédia, da Encyclopedia Methodica, da Encyclopedia prática, e das melhores obras que tratarão até agora estes objectos, tomo II, Officina de Simão Thaddeo Ferreira, Lisboa (1794).

25 Macedo, M., Restauração de quadros e gravuras, Lisboa (1885).

26 Conservação e Restauro no Instituto José de Figueiredo, Instituto Português do Património Cultural, Lisboa (1987).

27 Carmo,A. M.; Alves, L. M. P.; Ribeiro, M. I. M., 'A investigação científica aplicada ao estudo das obras de arte. Resumo das actividades do Laboratório Central do Instituto de José de Figueiredo', Boletim da Sociedade Portuguesa de Química, Lisboa, 28 (1987) 51-56.

28 Alves, L. M. P.; Ribeiro, M. I. M.,'Contributo para o conhecimento da técnica empregue em obras de arte. Estudo da composição de pigmentos e aglutinantes', Conservação e Restauro no Instituto José de Figueiredo, Instituto Português do Património Cultural, Lisboa (1987) 103-111.

29 Couto, A., 'Do retábulo de Santa Catarina, e um pintor. restaurador quinhentista», Boletim Cultural da Câmara Municipal do Porto, 2(2) (1939) 261-263.

30 Viterbo, F.M. S., Noticia de alguns pintores portuguezes e de outros que, sendo estrangeiros, exerceram a sua arte em Portugal, 1.ª série, Lisboa (1903).

31 Serrão,V.,'O mecenato da Rainha D. Leonor e a pintura de Corte', Oceanos, 8 (1991) 104-109.

32 Gonçalves, F., 'Reimão d'Armas, pintor-restaurador quinhentista, esteve no Porto', O Tripeiro, 1(3) (1961) 85-86.

33 Sousa, J. M. C., 'Repintura dos quadros da Charola', Anais da União dos Amigos da Ordem de Cristo, 2 (1951) 253-255.

34 Serrão,V.,'Maniera,mural painting and calligraphy: Giraldo Fernandez de Prado (c. 1530-1592)', in Out of the Stream: new perspectives in the study of medieval and early modern mural paintings, ed. L. U. Afonso, Faculdade de Letras de Lisboa, Lisboa (no prelo).

35 'Folhas da Obra da Igreja e o mais que ficou arruinado por cauza do terramoto que houve em dia de todos-os-santos do ano de 1755', Arquivo Histórico da Misericórdia de Almada, Maço 6, n.º 15; L.º 25-A, fl. 42 e segs.

36 Basto,A.M,'O Pintor Quinhentista Diogo Teixeira. Da sua actividade artística no Porto', Pátria (1931).

37 Viterbo, F.M. S., Noticia de alguns pintores portuguezes e de outros que, sendo estrangeiros, exerceram a sua arte em Portugal, 2.ª série, Lisboa (1906).

38 Gonçalves, F., 'A Inquisição portuguesa e a arte condenada pela Contra-Reforma', Colóquio 26 (1963) 27-30.

39 Serrão,V.,'As "Imagens de Formosura Dissoluta" e a arte da Contra-Reforma: o caso de uma pintura quinhentista', Vértice, 3 (1988) 23-30.

40 Recibos autógrafos, Arquivo do Marquês de Olhão, Núcleo Eclesiástico, docº 28, fls. 21 vº a 27 vº.

41 Almada, C. O.; Figueira, L.T.; Serrão,V., História e Restauro da Pintura do Retábulo-Mor do Mosteiro dos Jerónimos, IPPAR, Lisboa (2000).

42 Kubler, G., The Antiquity of the Art of Painting by Felix da Costa,Yale University Press, Harmondsworth (1967).

43 Serrão,V,.'António Pereira Ravasco, ou a influência francesa na arte do tempo de D. Pedro II', in Carlos Alberto Ferreira de Almeida. In Memoriam, vol. II, ed. M. J. Barroca, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto (1999) 347-362.

44 Meco, J., O Azulejo em Portugal, Publicações Alfa, Lisboa (1989).

45 ANTT, Cartório Notarial de Lisboa, n.º 7-A, L.º 84, fl. 6vº-7 (contrato de 12-IV-1703).

46 Gonçalves, F., 'João Baptista Pachini e os painéis da Casa do Cabido da Sé do Porto', Arquivos do Centro Cultural Português da Fundação Calouste Gulbenkian, 2 (1972).

47 A.N.T.T., Cartório Notarial de Lisboa, n.º 11, L.º 454, fls. 19 e vº (contrato de sociedade de 27-X-1727).

48 Serrão,V.,'Bernardo Pereira Pegado',in D.João V Magnífico,ed.N.Saldanha, IPPAR, Lisboa (1995) 165-167.

49 Serrão,V.,'Le monde de la peinture baroque portugaise. Naturalisme et ténèbres, 1621-1684', in Rouge et Or.Trésors du Portugal Baroque, Musée Jacquemart-André, Paris (2001) 51-77.

50 Boiça, J. M. F., Imaginária de Mértola.Tempos, Espaços, Representações, Campo Arqueológico de Mértola, Mértola (1998).

51 Raczynski, A., Les Arts en Portugal, Paris (1848).

52 Vandevivere, I.; Carvalho, J.A. S.,'O Mestre Delirante de Guimarães', in Museu Alberto Sampaio. Colecção de Pintura, I.P.M., Lisboa (1996).

53 Caetano, J. I., O Marão e as Oficinas de Pintura Mural nos Séculos XV e XVI, Ed.Aparição, Lisboa (2001).

54 Caetano, J. I., 'Conservação e Restauro das Pinturas Murais da Igreja de Santa Leocádia', in A Intervenção no Património. Práticas de Conservação e Reabilitação, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto - DGEMN, Porto (2002).

55 Afonso, L.U.,'A Pintura Mural dos Séculos XV-XVI na Historiografia da Arte Portuguesa: Estado da Questão', Artis - Revista do Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras de Lisboa, 1 (2002) 119-137.

56 Vieira, A. L., Da Reintegração dos Primitivos Portugueses, Amigos do Museu de Arte Antiga, Lisboa (1923).

57 Carvalho, J.A. S.,'Pinturas antes do Restauro. Provas fotográficas do Espólio de Luciano Freire', in volume a publicar pelo Instituto Português de Conservação e Restauro, Lisboa (2007).

Stable url: https://doi.org/10.14568/cp3-4_5


< Previous Next >
ARP | Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal