Versão em português
N.º 22
2015
pp. 7-16

 

< Previous Next >

Article
Gilding and painting: the artistic polyvalence of the gilders masters in Lisbon during the age of the baroque

Sílvia Ferreira

Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Portugal

silvia.a.s.ferreira@gmail.com

Abstract

The artistic versatility of the gilding masters of the baroque period in Lisbon is fully documented on the work contracts and accounting books of the many brotherhoods, religious orders and other commissioners. As professionals like woodcarvers, masons and tile makers, the gilding masters were elected by the contractors to compose artistic programs that had to deal with the baroque notion of bel composto. Sometimes commissions reported to the gilding of the woodcarved altarpieces, the painting of areas of the altar that were meant to imitate other materials, like stone and painting ceilings and other areas. In addition to the gilding of the woodcarved altars, these professionals were often asked to "encarnar" and "estofar" the major images of the Virgin, Christ, saints, angels and putti and some of them also executed oil paintings for the main altars and other places of the churches, like the naves or vestries of the temples.

Keywords

Gilt
Painting
Woodcarving
Lisbon
Baroque

Language

Portuguese

Original title

Dourar e pintar: a polivalência artística dos mestres douradores de Lisboa na época barroca

DOI

10.14568/cp2015017

Download

PDF

Download citation

RIS | Endnote

Citation

Conservar Património | APA | Chicago | NP405 | ABNT

Conservar Património:
Ferreira, S., 'Dourar e pintar: a polivalência artística dos mestres douradores de Lisboa na época barroca', Conservar Património 22 (2015) 7-16, https://doi.org/10.14568/cp2015017.

APA:
Ferreira, S. (2015). Dourar e pintar: a polivalência artística dos mestres douradores de Lisboa na época barroca. Conservar Património, 22 7-16. DOI:10.14568/cp2015017.

Chicago:
Ferreira, Sílvia. 2015. "Dourar e pintar: a polivalência artística dos mestres douradores de Lisboa na época barroca." Conservar Património 22:7-16. doi:10.14568/cp2015017.

NP405:
FERREIRA, Sílvia – Dourar e pintar: a polivalência artística dos mestres douradores de Lisboa na época barroca. Conservar Património. [Em linha]. 22 (2015) 7-16 [Consult. ]. Disponível em WWW: <URL:https://doi.org/10.14568/cp2015017>. ISSN 21829942.

ABNT:
FERREIRA, Sílvia. Dourar e pintar: a polivalência artística dos mestres douradores de Lisboa na época barroca. Conservar Património, Lisboa, v. 22, p. 7-16, 2015. Disponível em: <https://doi.org/10.14568/cp2015017>. Acesso em: .

History

Received: 2015-7-16
Revised: 2015-9-28
Accepted: 2015-10-9
Online: 2015-12-29
Publication: 2016-1-27

References

1 Serrão, V., 'O desvario do ornamento de brutesco na pintura de tectos do mundo português, 1580-1720', in Struggle for Synthesis. A Obra de Arte Total nos Séculos XVII e XVIII, ed. I. Lage, IPPAR, Lisboa (1999) 283-302.

2 Ferreira-Alves, N., 'Iconografia e simbólica cristãs. Pedagogia da mensagem', Theologica, 30(1) (1995).

3 Lima, D., História dos Mosteiros, Conventos e Casas Religiosas de Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, Lisboa (1950-1972).

4 Sá, M., Memorias Historicas da Ordem de N. S. do Carmo da Provincia de Portugal, 1.ª parte, Officina de Joseph Antonio da Sylva, Lisboa Occidental (1727).

5 Santa Maria, N., Chronica da Ordem dos Conegos Regrantes do Patriarcha S. Agostinho, Parte II, Officina de Joam da Costa, Lisboa (1668).

6 Sousa, F., O Terramoto do 1.º de Novembro de 1755 em Portugal e um Estudo Demográfico, Vol. III - Distrito de Lisboa, Tipografia do Comércio, Lisboa (1928).

7 Portugal, F.; Matos, A., Lisboa em 1758. Memórias Paroquiais, Câmara Municipal de Lisboa, Lisboa (1974).

8 Coutinho, M.; Ferreira, S., 'Devoção e recreação: Celebrações na igreja inaciana de S. Roque', in Lisboa e a Festa: Celebrações Religiosas e Civis na Cidade Medieval e Moderna, ed. T. L. Vale; M. J. Ferreira; S. Ferreira, Câmara Municipal de Lisboa, Lisboa (2009) 269-291.

9 Coutinho, M.; Ferreira. S., 'Construindo identidades: Reconhecimento dos elementos decorativos comuns na azulejaria, embutidos marmóreos e talha dourada', in A Herança de Santos Simões. Novas perspectivas para o estudo da azulejaria e da cerâmica, ed. S. Flor, Edições Colibri, Lisboa (2014) 393-411.

10 Ferreira, S., 'A talha barroca de Lisboa (1670-1720). Os artistas e as obras', tese de doutoramento, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa (2009).

11 Ferreira-Alves, N., A Arte da Talha no Porto na Época Barroca. Artistas e Clientela, Materiais e Técnica, Câmara Municipal do Porto, Porto (1989).

12 Serrão, V.; Dacos, N., 'Do grotesco ao brutesco: As artes ornamentais e o fantástico em Portugal (séculos XVI a XVIII)', in Portugal e a Flandres - Visões da Europa (1550-1680), Instituto Português do Património Cultural, Bruxelas-Lisboa (1992) 37-53.

13 Jorge, P., 'Bernardo da Costa Barradas: um pintor-dourador de Lisboa (1706-1747)', Cadernos do Arquivo Municipal 1 (2014) 251-275, http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/investigacao/cadernos-do-arquivo-municipal/2-serie/numero-1/ (acesso em 2015-10-09).

14 Cardoso, M., 'Gesso Layers on Portuguese Baroque Altarpieces: materials, practices and durability', tese de doutoramento, University College, London (2010).

15 Gilt Teller - Um Estudo Interdisciplinar Multi-escala das Técnicas e dos Materiais de Douramento em Portugal, 1500-1800, http://www.gilt-teller.pt (acesso em 2015-04-10).

16 Cruz, A., Os Mesteres do Porto: Subsídios para a História das Antigas Corporações dos Ofícios Mecânicos, Subsecretariado de Estado das Corporações e Previdência Social, Porto (1943) 195-196.

17 'Regimento dos Pintores', Cadernos do Arquivo Municipal, 1 (2014) 279-282, http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/investigacao/cadernos-do-arquivo-municipal/2-serie/numero-1/ (acesso em 2015-10-09).

18 'Regimento dos Douradores', Cadernos do Arquivo Municipal, 1 (2014) 283-288, http://arquivomunicipal.cmlisboa.pt/pt/investigacao/cadernos-do-arquivo-municipal/2-serie/numero-1/ (acesso em 2015-10-09).

19 Kubler, G., The Antiquity of the Art of Painting, by Felix da Costa, Yale University Press, New Haven and London (1967) 127vº-135vº.

20 Teixeira, F. A. G., A Irmandade de S. Lucas, Lisboa (1931).

21 Coutinho, M.; Ferreira, S.; Flor, S.; Serrão, V., 'Contributos para o conhecimento dos pintores de Lisboa na época barroca (1664-1720)', Boletim Cultural da Assembleia Distrital de Lisboa, 96(1) (2011) 39-98.

22 Serrão, V., A Cripto-História de Arte. Análise de Obras Inexistentes, Livros Horizonte, Lisboa (2001) 101-124.

23 Meco, J., 'Azulejos de Gabriel del Barco na região de Lisboa. Período inicial até cerca de 1691-pintura de tectos', Boletim Cultural da Assembleia Distrital de Lisboa, 85 (1979), 78-79.

24 Serrão, V., 'O "brutesco nacional" e a pintura de azulejos no tempo do barroco (1640-1725)', in Um Gosto Português. O Uso do Azulejo no Século XVII, ed. M. A. P. Matos, Babel - MNAz, Lisboa (2012) 188.

25 Serrão, V., 'A actividade artística de António de Oliveira Bernardes na igreja da Conceição da Luz: um exemplo de cripto-história de arte', in A Herança de Santos Simões. Novas Perspectivas para o Estudo da Azulejaria e da Cerâmica, ed. S. V. Flor, Edições Colibri, Lisboa (2014) 459-474.

26 Flor, S., 'As relações artísticas entre pintores a óleo e de azulejo perspectivadas a partir da oficina de Marcos da Cruz (a.1637-1683)', Artis 9-10 (2010-2011) 291-307.

27 Saldanha, N., 'Jerónimo da Silva. Um pintor da Lisboa joanina', in Lisboa Barroca e o Barroco de Lisboa, ed. T. L. M. Vale, Livros Horizonte, Lisboa (2007) 109-122.

28 'Instrumento de obrigação', manuscrito, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cartório Notarial de Lisboa, n.º 2 (antigo n.º 1), Caixa 74, Livro 359, fls. 75-76 (1715).

29 'Livro original de todas as memórias da Irmandade de S. Lucas, desde 1637 até 1790. Composto dos sete livros e acrescentado de um índex copioso ordenado por Cyrillo Volkmar Machado no ano de 1791, ano em que foi Juiz Sr. Pedro Alexandrino Carvalho' manuscrito, Academia Nacional de Belas-Artes, XX/8/14 (1791).

30 'Instrumento de contrato e obrigação', manuscrito, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cartório Notarial de Lisboa, n.º 3 (antigo n.º 11), Caixa. 83, Livro 315, fls. 22-22 v.º (1677).

31 'Rol de confessados da freguesia de Santa Catarina de Lisboa', manuscrito, Arquivo Histórico do Patriarcado de Lisboa, (1673).

32 'Obrigação a Irmandade do Dezamparo a Antonio Rodrigues', manuscrito, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cartório Notarial de Lisboa, n.º 1 (antigo n.º 12A), Caixa 60, Livro 250, fls. 75-76 (1679).

33 'Doirado e Pintura do tecto da capella mór', manuscrito, Arquivo Paroquial da Igreja de S. João Baptista do Lumiar, Irmandade do Santíssimo Sacramento, Documento avulso, s/n fl. (1707).

34 Serrão, V., História da Arte em Portugal. O Barroco, Lisboa, Editorial Presença (2003) 55-60.

35 Serrão, V., O Maneirismo e o Estatuto Social dos Pintores Portugueses, Imprensa Nacional Casa da Moeda, Lisboa (1983) 183-189.

36 Serrão, V., A Pintura Proto-Barroca em Portugal 1612-1657. O Triunfo do Naturalismo e do Tenebrismo, Edições Colibri, Lisboa (2000) 356-376.

37 Coutinho, M., 'A produção portuguesa de obras de embutidos de pedraria polícroma (1670-1720)', tese de doutoramento, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa (2010).

38 Ferreira, S., A Igreja de Santa Catarina. A Talha da Capelamor, Livros Horizonte, Lisboa (2008).

Stable url: https://doi.org/10.14568/cp2015017


< Previous Next >
ARP | Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal